Receba nossas noticias por e-mail...

quarta-feira, 30 de maio de 2012

Com atividade fraca, BC deve cortar juro em 0,5 ponto

O Banco Central (BC) anuncia no início da noite a primeira decisão sobre o rumo do juro básico da economia com o detalhamento dos votos de cada um dos diretores. No mercado financeiro, a maioria prevê decisão unânime de corte da Selic em 0,5 ponto, para 8,5% ao ano.

Confirmada a aposta, o juro cairia para o menor patamar da história e, ao mesmo tempo, passaria a valer a nova regra das cadernetas de poupança que prevê remuneração equivalente a 70% da Selic acrescida da Taxa Referencial (TR).

Com uma economia que cresce em ritmo mais lento que o imaginado, analistas dão como certa a continuidade do corte de juro iniciado em agosto do ano passado. Para o mercado, o Banco Central deve manter a estratégia de baratear o crédito porque a atividade segue abaixo do potencial e não há grandes ameaças no radar da inflação.

Ou seja, há espaço para incentivar a economia sem preocupação com os preços. Dessa maneira, a taxa que está em 9% ao ano deve cair para o mais baixo patamar da história, menor do que mínimo de 8,75% ao ano praticado entre julho de 2009 e abril de 2010.

Além da atividade, outro fator que também respalda a redução de juro é o novo funcionamento da poupança. Anunciada no início do mês, a mudança acaba com a rentabilidade fixa das cadernetas.

Para depósitos feitos a partir de 4 de maio, o rendimento será de 70% da Selic somado da TR sempre que o juro básico estiver em 8,5% ou menos. A regra antiga, válida para depósitos antigos ou no caso de a Selic seguir acima do patamar citado, é de juro fixo mensal de 0,5% somado da Taxa Referencial.

Poupança. Confirmada a Selic em 8,5%, o rendimento das novas cadernetas passará a ser de 6,17% ao ano. No acumulado dos últimos 12 meses, depósitos renderam 6,67%.

Isso quer dizer que, em uma caderneta com R$ 1 mil sob as novas regras, a remuneração em um ano será R$ 5 menor quando comparada com a antiga.

A adoção da nova regra era importante para o governo porque, mantido o funcionamento tradicional das cadernetas, a trajetória de queda da Selic poderia incentivar migração em massa de recursos dos fundos de investimento para a poupança.

Isso poderia travar a queda da taxa básica de juros. Como geralmente esses fundos de investimento têm títulos públicos, a fuga de investimentos poderia reduzir a demanda pelos papéis emitidos pelo governo, o que atrapalharia a administração da dívida pública

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Olá caro amigo, para comentar presisa se registrar no blog.
Já se registro? ok agora você já pode comentar avontade, criticas, agredecimentos, opiniões, sugestões, etc.
seje construtivo.

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.